domingo, 13 de fevereiro de 2011

A força da Capital Cuiabana no Mutirão


CUIABÁ. Da Capital “Cuiabá” mais uma vez tivemos a equipe do Pastor Ivon Pereira da Silva (de laranja e bigode, na foto ao lado, em companhia do Victor de Rondonópolis), batizado em Rio dos Crentes em 9 de junho de 1985 e há 26 anos cooperando com a construção de nosso Acampamento. Ivon veio com Leonildo Toledo (e seus dois filhos Victor e Samuel) e o João Queiroz da “Priscila”. Todos pegaram a mão na massa o dia todo. Ivon trabalhou com afinco na rede elétrica dos barracões. Haja roldana! Puxa daqui, estica acolá e assim ele passou o dia mexendo com os fios elétricos. O irmão Flaviano de Jaciara também ajudou nessa tarefa. Ivon disse que ele estava com um medo danado de pegar nos fios. O irmão dizia que estava desligado, mas ele estava desconfiado, com medo de pegar em algum fio descascado. E tem que ter medo mesmo, irmão. Fio descascado é um perigo. Uma vez eu tomei um choque de 220 volts que fez as minhas unhas das mãos espirrarem longe. E o pior: eu estava pelado e molhado. Acabara de sair do banho. Fiquei seco com o choque. Essa experiência eu aprendi em Cuiabá, MT, na primeira vez que eu fui na casa do Missionário Isaias Almeida, quando ele, recém-casado morava lá. Então eu vi ele se secando, após o banho, na frente de um ventilador. E aí, também recém-casado resolvi imitá-lo nessa ocasião do choque. Eu morava em Goiânia, GO e minha esposa grávida estava no quarto ao lado. Era o Fernando Resplandes que vinha chegando. Era 1986. Saí do banheiro, o ventilador ligado na sala/cozinha em cima do armário, no alto. Fui pegá-lo sem desligar e peguei bem em um fio descascado. Irmão Flaviano! Bzzzzzzz. Eu só ouvia esse zumbido. Para mim, parece que eu fui levantado do chão, colocado na horizontal, erguido a mais ou menos um metro de altura e despencado de prancha. Parece que foi assim, mas eu não sei, pois só escutava mesmo era o tal Bzzzzzzz. Mas não abri a boca e a minha esposa nem percebeu o drama que ocorreu na cozinha. Choque é coisa para ter medo mesmo, irmão Flaviano de Jaciara. Não se brinca com fio descascado. Você está certo de ficar com medo. Já diz o ditado que “cautela e caldo de galinha não fazem mal para ninguém”. João Queiroz molhou a camisa. Servente dos “bão”. Empurrou carrinho e jogou massa o dia todo. É um bravo que honra dona Priscila; no meio dos irmãos de força, ele também é uma força.

Um comentário:

Isa2 disse...

não sabia desta história Izaias.. Eu também tenho pavor de choque. eu nunca aprendi a mexer com eletricidade, mas porque minha mãe falava, CUIDADO AÍ, VAI TOMAR CHOQUE! e com isso só faço ligações simples.
isa2