domingo, 18 de novembro de 2018

Encontro de Lideranças Neotestamentárias 2018


RELATÓRIO DO XLIV ENCONTRO DE LIDERANÇAS EM POXOREU - MT

 DE 15 A 18 DE NOVEMBRO DE 2018.
PARTICIPANTES:
1.      Missionário Isaias da Silva Almeida – Coordenador – Campo Grande - MS
2.      Missionária Rosangela Lins Almeida - Secretária – Campo Grande - MS
3.      Missionário Paulo César de Moraes – Rondonópolis – MT.
4.      Missionária Marinalva Santos Medeiros de Moraes - Rondonópolis – MT.
5.      Missionário Ademar Soares de Lima – Nova Olímpia – MT.
6.      Missionária Elizabeti Soares de Lima - Nova Olímpia – MT.
7.      Pr. Sebastião Mariberto Pereira - Nova Olímpia – MT.
8.      Ananete dos Santos Pereira - Nova Olímpia – MT.
9.      Pr. Ivon Pereira da Silva – Cuiabá – MT
10.   Joneide Montezuma Delgado da Silva - Cuiabá – MT
11.   Diácono Leonildo Toledo - Cuiabá – MT
12.   Pr. Roque Nascimento – Barão de Melgaço - MT
13.   Maria do Carmo Nascimento - Barão de Melgaço – MT
14.   Pr. Honório Luiz da Silva Neto - Barão de Melgaço – MT
15.   Marluce da Silva Nascimento - Barão de Melgaço – MT
16.   Izaías Resplandes de Souza - Poxoréu – MT
17.   Lurdes Resplandes - Poxoréu – MT
18.  Altamiro Souza Luz – Primavera do Leste - MT
19.   Pr. Sebastião dos Santos – Rondonópolis – MT
20.   Ivanilci dos Santos - Rondonópolis – MT
21.   Mathilde Paulo dos Santos - Rondonópolis – MT
22.   Cleuza Alves de Oliveira - Rondonópolis – MT
23.   Pr. João Rita Pereira da Silva – Jaciara – MT
24.   Juraci de Freitas – Nova Brasilândia - MT 
25.   Maria Ferreira de Freitas - Nova Brasilândia – MT
26.   Pr. Edmir Almeida Cordeiro - Corumbá - MS
27.   Pr. Marismar Soares Santana – Corumbá – MS
28.   Pr. Matias Silva - Corumbá - MS
29.   Diácono Jones da Silva Martinez - Corumbá - MS
30.   Diácono Alberto Bascope – Campo Grande – MS
31.  Elisandra Peixoto de Arruda Bascope - Campo Grande – MS
32.  Lucas Torrezan - Campo Grande – MS
33.  Jéssica Lice Torrezan - Campo Grande – MS
34.  Antônio Torrezan - Campo Grande – MS
35.  Manoel Sílvio da Rosa – Retiro São Bento – MT
36.  Altivo Melo dos Santos – Rondonópolis - MT

 

O 44º Encontro de Lideranças foi realizado nos dias 15 a 18 de novembro de 2018, no Acampamento Rio dos Crentes em Poxoréu, MT, sob a coordenação do missionário Isaias da Silva Almeida, da União Missionária Neotestamentária – UMNT. Este iniciou o Encontro lendo os textos de Fp.  1: 27 e Cl. 3:13. Após orar, pediu que eu, Rosangela Lins Almeida, secretária do presente Encontro lesse o relatório do Encontro anterior, procedimento de praxe e já combinado em Encontros anteriores.
Feita a leitura do relatório procedeu-se a apresentação dos temas sugeridos pelas lideranças das igrejas Neotestamentárias, como segue:
RETIRO DE JOVENS 2019 – Proposta para realização do Retiro de Jovens na Semana Santa de 2.019, no Acampamento Rio dos Crentes, em Poxoréu, MT, com administração execução compartilhada.
Esse tema foi abordado pelos dois coordenadores do Retiro de Jovens 2.019: Lucas Torrezan e o diácono Alberto Bascope, ambos da Igreja Neotestamentária da Vila Planalto, em Campo Grande – MS. O irmão Lucas Torrezan deu explicações detalhadas sobre como funciona o retiro de jovens, lendo inclusive a carta que é enviada as igrejas e um anexo que segue junto a ela. Várias situações foram colocadas e analisadas com os irmãos presentes, dentre as quais se destacam:

1.      O papel decisivo e preponderante dos Pastores e líderes das igrejas locais em incentivar os jovens de suas igrejas a participar do Retiro bem como avalizar os que podem participar, enviando a lista (preenchendo o anexo a carta) à Coordenação do Retiro, com antecedência de 15 dias.
2.    Que os jovens que desejam participar do Retiro devem comunicar os Pastores ou líderes locais e mantê-los cientes de tudo que se refere a esse tema, nada fazendo sem o apoio e aprovação dos mesmos.
3.       Confirmação do próximo retiro de jovens em Poxoréu, no Acampamento do Rio dos Crentes, dias 19 a 21 de abril de 2.019.
4.     A taxa de R$ 60,00 que será cobrada de cada participante.
5.    Idade mínima para participar: Nascimento em 2004 e idade máxima, 40 anos.
6.   Os critérios para participação constam da carta convite enviada as igrejas pela coordenação do Retiro, ficando sob a responsabilidade dos Pastores e líderes das igrejas locais os casos de exceção.
7.   Que os irmãos das igrejas locais que forem designados para serem responsáveis pelo seu grupo de jovens, solucionem dentro do grupo alguma dificuldade que porventura surgir, levando à Coordenação do Retiro somente o que eles não puderem contornar.
8.  Que a equipe de Campo Grande, responsável pelo Retiro, chegará em Poxoréu na 5ª feira, a noite para organizar o espaço. Sendo assim as compras já deverão estar no Rio dos crentes e a cozinha deve estar preparada para que se possa fazer o jantar e o café da manhã para esta equipe. O missionário Isaias sugeriu que se traga um casal do MS para cooperar na cozinha.  


A IGREJA APARTIDÁRIA

Propôs esse tema e o desenvolveu o Pr. Honório Neto, da igreja Neotestamentária de Barão de Melgaço. Iniciou lendo Pv. 22:3 e dizendo que “A mente vê além da visão”. Disse ainda da sua preocupação quanto ao futuro da igreja com relação a esta se tornar partidária deste ou aquele ou desta ou daquela ideologia política. Deu o seu testemunho contando que nasceu em uma família de políticos e de como isso dividiu a família, criando inclusive inimizades entre irmãos de sangue. Em razão disso cresceu apartidário. Ao ser ganho para Cristo, a igreja do irmão que o levou a conhecer o evangelho cedia o púlpito para manifestação de políticos. Isso o entristeceu e o fez afastar desse grupo. Ao conhecer a igreja Neotestamentária foi cativado por ela exatamente pela sua postura apartidária. Disse: “Nós tínhamos os nossos próprios projetos”. “Minha preocupação e com o futuro. Os líderes podem diluir isso, mas e os mais jovens? Como isso afetará a igreja?” Lembrou que “O irmão ofendido resiste mais que uma fortaleza”. Que o apóstolo Paulo disse: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convém”.  Enfatizou que somos peregrinos, que nossa Pátria não é aqui. Esclareceu: Isso é mais um apelo! É momento de prepararmos os nossos. Hoje somos instantâneos; somos universais. É bom revermos as nossas posições. Encerrou dizendo: “Isso vai crescer. Este processo próximo ao eleitor está avançando e onde vai parar?”
Vários outros irmãos se manifestaram expondo seu ponto de vista e concluiu-se que todos tem liberdade de escolher seu candidato, que devemos respeitar um ao outro, ter cuidado com o nosso falar, especialmente no face, no whats, em qualquer lugar. Que a política existe e todos nós a praticamos de uma forma ou de outra, que ela em si não é má, mas que infelizmente os homens não a exercem com honestidade. E que nós, como cristãos, temos que fazer a diferença respeitando as pessoas e cumprindo a ordem do Senhor: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.
Finalizando esse tema, o irmão Izaías Resplandes leu para os presentes um artigo denominado: Igreja apartidária, de sua autoria, o qual posteriormente será publicado no blog da UMNT.


MISSÃO NO PANTANAL
Os Pr. Roque Nascimento e Honório Neto expuseram o trabalho realizado no Pantanal de Mato Grosso, desde 2006, no Retiro São Bento, o qual hoje serve de base para o avanço da obra. Nesse lugar tem 10 irmãos batizados e 5 novos convertidos. Disseram que o pantanal é vasto e que possui 30 comunidades. No momento, em parcerias com outros irmãos, eles já conseguiram atingir 6 comunidades, levando a Palavra de Deus e também ajuda social através de doação de sacolões e filtros. Em parceria com a Jocum foram instalados mais de mil filtros no Pantanal.
Uma vez por mês são feitas visitas missionárias a uma dessas comunidades. A preocupação maior hoje é com um lugar chamado Pirigara, visto que é de mais difícil acesso e mais longínquo, gastando-se 8 horas de lancha para chegar até lá e um investimento de R$ 2.000,00. A princípio esse custo era bancado por um empresário cristão, entretanto, hoje, esse valor é rateado entre os que participam da viagem missionária. A primeira visita a essa comunidade foi dia 7 de setembro de 2017, resultando na conversão de 10 pessoas e mais 09 pessoas na ilha Camargo Correia.
Ainda em parceria com a Jocum, foi realizado em Barão de Melgaço o Projeto Uma Bíblia em cada casa. Foram distribuídas mil e quinhentas Bíblias na cidade e feita a leitura da Bíblia, em uma praça, por 24 horas consecutivas, durante cinco dias.
Os Pr. Roque Nascimento e Honório Neto, expressaram o desejo avançar com o trabalho no Pantanal atingindo outras comunidades. Para tanto gostariam de adquirir um barco com motor 40, que hoje custa cerca de R$ 40.000,00. Ao expressar essa necessidade e desejo, alguns irmãos presentes acharam por bem já se comprometerem em contribuir para a aquisição do barco através da conta da Missão, ficando responsável pelo controle das entradas o missionário Isaias Almeida. Outros irão consultar suas igrejas quanto ao valor com o qual podem contribuir.

Banco do Brasil
Agência 5783-5
Conta Poupança 110 857 – 7
Variação 96

Decidiu-se ainda que o barco será adquirido com doações das igrejas, em nome da UMNT, a qual fará um contrato de comodato com a igreja de Barão de Melgaço, ficando como responsáveis pelo barco os Prs. Honório Luiz da Silva Neto e Roque do Nascimento.
Os Prs. Roque Nascimento e Honório Neto, também esperam contar com as igrejas, especialmente de Mato Grosso, no sentido de enviar irmãos para fazerem parte das viagens missionárias que são realizadas uma vez por mês, ou que as igrejas enviem o valor correspondente a cota de um outro irmão que esteja apto para ir.




RETIRO TEMÁTICO
 O Pr. Honório Neto sugeriu que os retiros de família em Poxoréu tenham um tema. Disse que é uma questão de didática. Que ele crê que vai ter um melhor aproveitamento para todos os irmãos.  Todos concordaram. O irmão Izaías Resplandes sugeriu que o tema seja dividido em subtemas para que cada ensinador enfoque um aspecto nos nove tempos de estudos que serão apresentados.

RELATÓRIO DA IGREJA DA NOVA CORUMBÁ
 O Pr. Matias Silva, da igreja da Nova Corumbá, em Corumbá -MS, apresentou um relato das atividades da igreja desde o Encontro do ano passado até a presente data. Mostrou os vários projetos desenvolvidos tanto na área de evangelismo nos bairros vizinhos ou próximos a igreja, como de discipulado, cursos de capacitação dados na igreja e fora dela, evangelismo nas casas de acolhimento, na UNEI, no GAAP (Grupo de Apoio a Adoção e Padrinhos), do qual hoje é vice-presidente. Informou casos de disciplina e restauração, bem como o número de membros que hoje é 83, entre adultos, crianças, jovens, adolescentes e idosos. O local de reunião está pequeno. Eles tem projeto de construir em um terreno já adquirido pela igreja e próximo ao atual local de reunião.

COMO RECUPERAR A UNIDADE ENTRE AS IGREJAS
O tema foi proposto pelo Pr. Matias Silva o qual expos sua preocupação com o distanciamento entre as igrejas da sua região, pedindo aos presentes sugestões de como resolver isso.
Vários irmãos se expressaram contando suas experiências e respaldando suas opiniões na Palavra de Deus. Dentre eles o missionário Ademar, que citando Jo. 17.19-21 disse que o conforta saber que o Senhor Jesus já sabia dessa dificuldade que haveria entre o seu povo e nos orienta quanto a isso. Que a falta de unidade é sinal dos tempos e que é consequência da nossa desobediência. Aconselhou os irmãos a consultar a Palavra e obedecer aos ensinos do Senhor Jesus Cristo. Concluiu que, sem isso, teremos contendas e divisão.
 Irmão Antonio Torrezan, baseando-se em 1 Pd. 5. 6, disse que a unidade passa pela humilhação e pelo perdão. Que perdão é devolver o direito de a pessoa ser feliz.  
O missionário Paulo Cesar Moraes lendo Ec. 12. 9-11, deu o significado das palavras conhecimento e sabedoria e a diferença entre elas. Disse que Salomão tinha conhecimento dado pelo seu pai, entretanto ao conhecer a Deus, pediu sabedoria. Disse que sabedoria é o dom que nos permite conhecer o melhor caminho a seguir. Fez uma breve retrospectiva histórica da obra missionária da UMNT e de um outro grupo semelhante para embasar e ilustrar a sua colocação. Sugeriu aos Prs. Matias e Marismar que trabalhem na base, que se unam entre eles, que orem para que o Senhor restaure a unidade entre as igrejas. Que continuem fazendo o trabalho deles, deixando aberto o caminho de volta a unidade e comunhão.
 O irmão Izaías Resplandes recordou que esse tema da unidade já foi tratado diversas vezes entre nós. Lendo Fp. 2.1-4 disse que tudo o que fizermos deve ser por amor. Que ninguém deve pensar em si e sim no outro. Que nunca seremos iguais. Que assim como um corpo tem vários membros e cada um deles tem a sua função e maneiras de fazer as coisas, assim acontece com a igreja. Que todos temos livre arbítrio e o melhor que temos a fazer é abraçar o irmão e amá-lo.
Pr. Edmir Cordeiro disse que tudo tem uma causa e nós temos que descobrir. Às vezes, o problema está em nós mesmos.
O Pr. João Rita enfatizou a necessidade de que os líderes se reúnam, tenham diálogo. Pontuou que “às vezes estamos reunidos, mas não estamos unidos”.
Para finalizar chegou-se a conclusão de que para termos unidade entre as igrejas e lideranças tem que haver: 1. Oração; 2. Humilhação; 3. Comunicação; e 4. Sabedoria.
  

ELEIÇÃO DE PRESBÍTEROS ONDE HÁ APENAS UM.
O Pr. Matias Silva expressou sua preocupação com igrejas que tem apenas um presbítero.
O missionário Isaias esclareceu que essa não é uma situação regular, que os irmãos tem estudos suficientes sobre esse tema, e que os que assim estão foi por situações como morte ou renúncia do companheiro. Que muitas das nossas igrejas tem condições de fazer escolhas ou reconhecimento de novos líderes agora, e que a liderança destas deve ver quais são os irmãos que preenchem os requisitos da Palavra, tem dom e potencial e os estimularem a exercer o seu ministério, chamando posteriormente os missionários para fazerem a imposição de mãos sobre eles.

CURSO PARA LÍDERES, ESPECIALMENTE PARA 

DIRIGENTES E PREGADORES ORGANIZADOS PELA 

UMNT.
Assunto também levantado pelo Pr. Matias Silva cuja preocupação é de que se mantenha a sã doutrina. Ele crê que deve se preparar a base (a liderança) com o respaldo da Missão.
Irmão Izaías Resplandes ressaltou que essa preocupação surgiu no meio da liderança já a algum tempo, em encontros anteriores. E que há dois vem publicando, semanalmente, um artigo visando contribuir com essa demanda. Entretanto pergunta: “Tem sido útil?”. “Tem servido para algo?”. “Tem aplicação nos dias atuais?”. “Qual?”.
Após outros irmãos se pronunciarem, o missionário Isaias Almeida pediu colaboração de alguns irmãos na seleção e preparo de material que possa ser de ajuda para os líderes, bem como na sua posterior aplicação.


INFORME FINANCEIRO DA UMNT
O missionário Isaias Almeida fez um paralelo entre as contribuições para a Missão em 2017 e 2018 e agradeceu a colaboração das igrejas locais.  

ENCERRAMENTO
Encerrando o Encontro mostrou o vídeo do Evangelismo Extremo realizado na região do Paiaguás, Pantanal de Mato Grosso do Sul, incentivando os irmãos a participarem da Missão através do ICO (IR CONTRIBUIR ORAR) e agradecendo o apoio de todos os irmãos.


Rosangela Lins Almeida
Secretária do XLIV Encontro de Lideranças


sábado, 3 de novembro de 2018

Homenagem ao Pastor Ivon Pereira da Silva

O pastor Ivon Pereira da Silva foi homenageado pelas igrejas de Cuiabá,MT pelo seus 62 anos de vida e completando
24 anos de ministério na Igreja em Cuiabá no dia 27 de outubro de 2018.
A esposa, Joneide Montezuma, recebeu um lindo buque de flores por acompanhar o esposo como pastor da igreja em Cuiabá

 Presente irmãos de várias igrejas do Mato Grosso convidadas.

 Homenagem e poesias foram feitas para o pastor Ivon 
pela sua sua excelente participação na Igreja 
  
 As duas últimas netas do casal  


terça-feira, 30 de outubro de 2018

Treinamento e capacitação

Dois cursos serão ministrados este ano:

  Pela missionária Rosangela Lins Almeida,
  Treinamento para aqueles que querem ensinar quem não sabem ler.


A capacitação será ministrada na cidade de Aquidauana, MS, pelas missionária da APEC, Fleudina Prudente Quintanilha e 
a missionária da U.M.N.T. Rosangela Lins Almeida.
Aqueles que querem se capacitar no ministério infantil da sua igreja

A capacitação ser

sábado, 27 de outubro de 2018

A liberdade de decidir


A liberdade de decidir

Izaias Resplandes de Sousa


O homem vive uma eterna corrida pela realização de sua meta de vida. Tudo começa ao nascer, às vezes até antes sem que a gente se dê conta. E dura enquanto vivermos e, às vezes até depois da morte, embora nem sempre tenhamos convicção de que isso ocorra. No entanto, seja pelo que seja, seja pelo que temos consciência, seja pelo que acreditamos, a meta de uma vida humana tem a duração dessa vida, começando onde começar e terminando onde terminar.

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor. Efésios 1:3,4.

Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. Mateus 25:34.

A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e os que habitam na terra (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, desde a fundação do mundo) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, ainda que é. Apocalipse 17:8.

E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo. Apocalipse 20:15.

A luta pode ser linear ou cheia de altos e baixos. É variável conforme as circunstâncias. Poucos seguem a linearidade. A maioria segue por esse sobe e desce.

Eis que saiu o semeador a semear. E aconteceu que semeando ele, uma parte da semente caiu junto do caminho, e vieram as aves do céu, e a comeram; e outra caiu sobre pedregais, onde não havia muita terra, e nasceu logo, porque não tinha terra profunda; mas, saindo o sol, queimou-se; e, porque não tinha raiz, secou-se. E outra caiu entre espinhos e, crescendo os espinhos, a sufocaram e não deu fruto.E outra caiu em boa terra e deu fruto, que vingou e cresceu; e um produziu trinta, outro sessenta, e outro cem. Marcos 4:3-8.

O que semeia, semeia a palavra; e, os que estão junto do caminho são aqueles em quem a palavra é semeada; mas, tendo-a eles ouvido, vem logo Satanás e tira a palavra que foi semeada nos seus corações. E da mesma forma os que recebem a semente sobre pedregais; os quais, ouvindo a palavra, logo com prazer a recebem; mas não têm raiz em si mesmos, antes são temporãos; depois, sobrevindo tribulação ou perseguição, por causa da palavra, logo se escandalizam. E outros são os que recebem a semente entre espinhos, os quais ouvem a palavra; mas os cuidados deste mundo, e os enganos das riquezas e as ambições de outras coisas, entrando, sufocam a palavra, e fica infrutífera. E estes são os que foram semeados em boa terra, os que ouvem a palavra e a recebem, e dão fruto, um trinta, e outro sessenta, e outro cem. Marcos 4:14-20.

A linearidade exige postura firme, seja no que for favorável, seja no que for contraditório, seja no sim, seja no não. Aquele que segue por essa trajetória costuma levar uma vida difícil. Sofre perseguições de todos os lados; é afrontado e desrespeitado pelos que pensam e se posicionam de forma diferente.

Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem. Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. Mateus 7:13-16.

E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós. E de todos sereis odiados por causa do meu nome. Lucas 21:16,17.

Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte. 2 Coríntios 12:10.

É difícil dizer que uma trajetória é melhor do que a outra, porque para cada um, a sua trajetória é sempre a melhor, em detrimento de todas as outras. As ideias e os pensamentos de um dificilmente serão iguais às de outros. Cada ser humano tem as suas próprias ideias e deve ser respeitado por tê-las.

Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um. Romanos 12:3.

E, se alguém cuida saber alguma coisa, ainda não sabe como convém saber. 1 Coríntios 8:2.

Portanto assim diz o Senhor: Vós não me ouvistes a mim, para apregoardes a liberdade, cada um ao seu irmão, e cada um ao seu próximo; pois eis que eu vos apregoo a liberdade, diz o Senhor, para a espada, para a pestilência, e para a fome; e farei que sejais espanto a todos os reinos da terra. Jeremias 34:17.

Assim falai, e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade. Tiago 2:12.

E isto por causa dos falsos irmãos que se intrometeram, e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão. Gálatas 2:4.

Cada ser humano que tem vindo ao mundo tem em si o dom do discernimento mínimo que é necessário para que faça as suas escolhas e responda por elas.

De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus. Assim que não nos julguemos mais uns aos outros; antes seja o vosso propósito não pôr tropeço ou escândalo ao irmão. Romanos 14:12,13.

O direito de cada um decidir sobre o que quer é sagrado. Quem não respeita essa liberdade ainda não compreendeu o princípio fundamental da vida, que é a liberdade. Qualquer que atentar com isso, atenta contra a liberdade. O livre arbítrio é basilar na existência humana.

Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor. Josué 24:15.

O homem pode errar em suas escolhas, mas um não morrerá por conta das escolhas do outro. O que escolher mal pagará por sua escolha.

Que pensais, vós, os que usais esta parábola sobre a terra de Israel, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram? Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que nunca mais direis esta parábola em Israel. Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá. Ezequiel 18:2-4.

A decisão está diante de nós. Escolhamos com amor e misericórdia, pensando em nós, mas principalmente, pensando nos que mais sofrem neste país. E seja o que seja, prossigamos com respeito e consideração por todos, ninguém se julgando melhor do que ninguém.

Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa. Nada façais por contenda [partidarismo] ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros. De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens. Filipenses 2:2-7.

Que todos nós sejamos abençoados!

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Os homens de poder

Os homens de poder

Izaias Resplandes de Sousa

Há muitas formas de se exercer o poder. Ricos e pobres podem exercê-lo. No entanto, a riqueza normalmente controla o exercício do poder. E por isso, os homens querem ser ricos, cada vez mais. A riqueza é o sonho de consumo de quase todo mundo. No afã de consegui-la, as pessoas costumam ultrapassar todos os limites possíveis. Verbos como matar, roubar, fraudar, mentir, enganar, distorcer, deturpar e outros tantos nessa linha são frequentemente conjugados por aqueles que têm fome de riqueza. Amizades são desfeitas e famílias desintegradas. Dizem de certas pessoas, que são capazes de matar a própria mãe para subir na vida. É de ver que a meta de alcançar a riqueza, pouca ou muita, faz com que o homem descumpra o contrato que garante a paz social e, assim, retorne ao estado de barbárie e selvageria e à sua eterna luta contra todos os demais. Nessa situação, o homem perde o seu bem mais precioso: a sua humanidade.
A Bíblia diz: Que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma? Marcos 8:36.
A alma é o bem maior de uma pessoa; é a sua vida, é o que pode existir ou o pode morrer. O salmista diz:
1)   Que a alma vive: Viva a minha alma, e louvar-te-á; ajudem-me os teus juízos. Salmos 119:175;
2)   Que a alma morre: Que homem há, que viva, e não veja a morte? Livrará ele a sua alma do poder da sepultura? Salmos 89:48.
O homem com sede de riqueza perde a sua alma antes da sepultura. O rico é quase sempre uma pessoa mesquinha, amarga, infeliz, medrosa.
O rico ajuda os outros com pequenas esmolas, cuidando para não acontecer de dar tudo e ficar sem nada; e ficar pobre. O que ele dá é aquilo que não lhe fará falta. O rico tem medo de ficar pobre. Ele detesta a pobreza. No entanto, a maioria dos pobres busca a amizade do rico, acreditando que estes podem se interessar por eles. Os ricos, como disse o deputado Justo Veríssimo, personagem criado por Chico Anísio, querem mesmo é que os pobres se explodam e que morram todos.
Jesus mostrou como agem os ricos e comentou sobre eles. Ele disse a um rico:
Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me. E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades. Disse então Jesus aos seus discípulos: Em verdade vos digo que é difícil entrar um rico no reino dos céus. E, outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus. Mateus 19:21-24.
Não é que o rico não se salva. Nem todos os ricos estão inaptos ao reino dos céus. Jesus pode transformar o coração de todos, até mesmo dos ricos. A dificuldade deles está no fato de que eles confiam mais em suas próprias riquezas para se salvarem do que em qualquer outra coisa, o que não ocorre com os pobres, porque já que eles não têm nada em que possam confiar, por que não confiarem em Deus?
Jesus também fez um comentário sobre as ofertas que os ricos faziam, comparando-as com as ofertas dos pobres. É assim o relato:
E, olhando ele, viu os ricos lançarem as suas ofertas na arca do tesouro; e viu também uma pobre viúva lançar ali duas pequenas moedas; e disse: em verdade vos digo que lançou mais do que todos, esta pobre viúva; porque todos aqueles deitaram para as ofertas de Deus do que lhes sobeja; mas esta, da sua pobreza, deitou todo o sustento que tinha. Lucas 21:1-4.
É de ver que o dinheiro do pobre é tão pouco, que qualquer coisa que ele tirar vai lhe fazer falta. Mas, mesmo assim, o pobre sempre se sensibiliza com as necessidades dos demais. Ele sabe o que é sofrer, porque sofre todo dia. Então, mesmo sabendo que vai obter poucos resultados com suas ofertas, mesmo assim ele faz questão de ajudar. Já o rico, dá alguma coisa para aparecer e não porque realmente deseja ajudar a diminuir o sofrimento das pessoas. É claro que não vamos rejeitar as ofertas dos ricos, pois afinal, como disse certa mulher: Os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores. Mateus 15:27.
É de destacar que o mais importante nessa reflexão sobre o poder não é o fato de se ser rico ou se ser pobre, mas o que cada um faz com a sua riqueza em favor dos demais. Deus não deu mais a uns para que se locupletem de “deleites e prazeres”, mas muitos pensam que foi para isso.
De onde vêm as guerras e pelejas entre vós? Porventura não vêm disto, a saber, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam? Cobiçais, e nada tendes; matais, e sois invejosos, e nada podeis alcançar; combateis e guerreais, e nada tendes, porque não pedis. Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. Tiago 4:1-3.
É de destacar a necessidade de que alguém promova a justiça social, o equilíbrio na distribuição de renda e a igualdade entre os homens. Esse é o papel dos governantes e de todos que têm recebido o poder para gerenciar. É de ver que o poder pertence a Deus. Aos homens cabe o gerenciamento conforme os propósitos divinos.
Deus falou uma vez; duas vezes ouvi isto: que o poder pertence a Deus. Salmos 62:11.
Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus. 1 Pedro 4:10.
O apóstolo Paulo elogia a atitude dos crentes pobres da Macedônia, porque haviam entendido o papel das riquezas, poucas ou muitas.
Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus dada às igrejas da Macedônia; como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade. Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente. Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos. E não somente fizeram como nós esperávamos, mas a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor, e depois a nós, pela vontade de Deus. 2 Coríntios 8:1-5.
O ato de compartilhar o que tem com os outros, ainda que se tenha pouco, tem a virtude de produzir o gozo, a alegria, o prazer. É de ver que, enquanto aquele primeiro rico que nos referimos ficou triste porque era possuidor de muitas propriedades e não se sentia à vontade para dá-las aos pobres, os pobres da Macedônia ficaram alegres e felizes de poderem compartilhar um pouco dos bens de sua pobreza com outros, igualmente pobres, que viviam em Jerusalém.
E Paulo explica o porquê de tal interesse:
Porque pareceu bem à macedônia e à Acaia fazerem uma coleta para os pobres dentre os santos que estão em Jerusalém. Isto lhes pareceu bem, como devedores que são para com eles. Porque, se os gentios foram participantes dos seus bens espirituais, devem também ministrar-lhes os temporais. Romanos 15:26,27.
É dando que se recebe. Assim diz a Palavra:
Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também." Lucas 6:38
O homem que tem uma natureza tipicamente rica normalmente não se preocupa em ajudar porque ele acredita que nunca precisará de ajuda. Mas, todos sabem que ninguém é autossuficiente e, mais cedo ou mais tarde chegará o dia em que estaremos pedindo ajuda a alguém.
O homem poderoso às vezes até ajuda, mas não porque deseja ajudar, senão que para se livrar do aborrecimento daquele que bate em sua porta. A Bíblia cita um exemplo:
Disse-lhes também: Qual de vós terá um amigo, e, se for procurá-lo à meia-noite, e lhe disser: Amigo, empresta-me três pães, pois que um amigo meu chegou a minha casa, vindo de caminho, e não tenho que apresentar-lhe; se ele, respondendo de dentro, disser: Não me importunes; já está a porta fechada, e os meus filhos estão comigo na cama; não posso levantar-me para tos dar; digo-vos que, ainda que não se levante a dar-lhos, por ser seu amigo, levantar-se-á, todavia, por causa da sua importunação, e lhe dará tudo o que houver mister. Lucas 11:5-8.
Também conta a história de um juiz:
Dizendo: Havia numa cidade um certo juiz, que nem a Deus temia, nem respeitava o homem. Havia também, naquela mesma cidade, uma certa viúva, que ia ter com ele, dizendo: faze-me justiça contra o meu adversário. E por algum tempo não quis atendê-la; mas depois disse consigo: ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens, todavia, como esta viúva me molesta, hei de fazer-lhe justiça, para que enfim não volte, e me importune muito. E disse o Senhor: Ouvi o que diz o injusto juiz. Lucas 18:2-6.
O que tem algum poder, normalmente faz alguma coisa pelo que não tem apenas para se livrar de um aborrecimento. Ele não têm prazer em ajudar. Os poderosos não se incomodam com as causas dos aflitos, dos que sofrem, dos miseráveis, dos desassistidos. Isso não quer dizer que eles irão todos para o inferno. Não estou julgando os ricos e nem a ninguém, mas apenas analisando essa categoria à luz da Bíblia. Não estamos aqui para condenar ninguém, principalmente porque Deus não faz acepção de pessoas e Ele não quer que nenhum pereça. Portanto, não é hora de jogar ninguém no Lago de Fogo. Isso vai acontecer, mas não seremos nós que faremos isso.
É de ver que os ricos também podem ser salvos. Vejamos o caso de Zaqueu.
E, tendo Jesus entrado em Jericó, ia passando. E eis que havia ali um homem chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos, e era rico. E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura. E, correndo adiante, subiu a uma figueira brava para o ver; porque havia de passar por ali. E quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa. E, apressando-se, desceu, e recebeu-o alegremente. E, vendo todos isto, murmuravam, dizendo que entrara para ser hóspede de um homem pecador. E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado. E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão. Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido. Lucas 19:1-10.
Zaqueu foi um rico que se converteu e passou a ter grande prazer em ajudar aos pobres e a corrigir os seus erros. Isso não é coisa comum de se ver. A regra é que os ricos não se interessem por Deus, porque se acham deuses, senhores e poderosos. E isso é um caso de preocupação, principalmente quando vemos os pobres se comportando da mesma maneira.
Os ricos querem continuar ricos e os pobres também querem ficar ricos. Mas a verdade é que não existe a possibilidade de todos ficarem ricos, porque os recursos são limitados e não são suficientes para todos. Mas é evidente que não é de justiça que uns poucos tenham quase tudo, enquanto que os muitos restantes não fiquem com quase nada.
Jesus orientou aos ricos para fazerem a distribuição de suas riquezas. É nosso dever lutar pela diminuição das desigualdades sociais, pela minimização das diferenças de classes. Infelizmente, não é isso que vemos hoje em dia.
A regra em uma sociedade capitalista é fazer todo o possível para ganhar mais e perder menos. Pobres são orientados a deixar de comer, de vestir, de se divertir e coisas do gênero, para poupar, para colocar os seus minguados recursos nas mãos dos banqueiros, em troca de dividendos irrisórios. No entanto, esses, quando emprestam, cobram juros exorbitantes.
Não digo que não devemos fazer administração financeira, mas devemos ter cautela sobre como fazemos isso.
É de ver que poucos pobres ficaram ricos. Alguns até se remediam, mas a maioria pobre, sempre continua pobre, mesmo trabalhando para os ricos e poderosos. Jesus disse que sempre teríamos os pobres conosco. João 12:8.
A orientação bíblica é de que aprendamos a viver contentes, mesmo vivendo em uma situação de pobreza. O pobre é feliz, o rico não.
O pobre sai de casa com tranquilidade e vai se divertir. O rico se tranca em casa e fica vendo televisão, com medo de ser roubado. O pobre passeia pelas ruas, praças. O rico anda de carro, com medo de ser assaltado. A vida do rico é uma tribulação constante, enquanto que a do pobre é uma calmaria. No entanto, apesar desse quadro, os ricos querem continuar ricos e os pobres querem ser ricos a todo custo.
A Bíblia alerta:
Não te fatigues para enriqueceres; e não apliques nisso a tua sabedoria. Porventura fixarás os teus olhos naquilo que não é nada? Porque certamente criará asas e voará ao céu como a águia. Provérbios 23:4, 5.
E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui. Lucas 12:15.
Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. Mateus 6:24.
Não confieis na opressão, nem vos ensoberbeçais na rapina; se as vossas riquezas aumentam, não ponhais nelas o coração. Deus falou uma vez; duas vezes ouvi isto: que o poder pertence a Deus. Salmos 62:10,11.
Ao que distribui mais se lhe acrescenta, e ao que retém mais do que é justo, é para a sua perda. A alma generosa prosperará e aquele que atende também será atendido. Provérbios 11:24,25.
O poder e a riqueza pertencem a Deus e deve ser usado para diminuir as desigualdades sociais e os sofrimentos de todos. É responsabilidade de quem tem qualquer forma de poder compartilhar esse poder com os que não têm para que cada um seja o mais universalmente igual ao outro.
Minha é a prata, e meu é o ouro, disse o Senhor dos Exércitos. Ageu 2:8.
É evidente que todo aquele que acha que tem algum poder não haverá de concordar com essa exposição, mas não é nosso objetivo contender. Apenas esclarecer. Cada um, no exercício de sua liberdade e no uso dos espaços que criar também poderá usar a tribuna para defender suas posições contrárias. Todavia, sempre com respeito e sem prover a desordem e a confusão.
Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos. 1 Coríntios 14:33.
Que o Senhor nos abençoe e nos ajude a compreender os nossos caminhos. Amém!