quinta-feira, 10 de outubro de 2019

UMNT X APEC X PROJETO CRIANÇA FELIZ

O projeto Criança Feliz realizou neste sábado, dia 05/10/19, a tarde, pela quarta vez, em um campo de futebol, na Coophavila 2, um evento para a comunidade.
23 pessoas da Igreja Evangélica Neotestamentária de Campo Grande,MS e uma aluna da Apec/MS, realizaram evangelismo pessoal naquele lugar para cerca de 250 pessoas, entre crianças, jovens e adultos. 
 O Projeto Criança Feliz  ofereceu a aos presentes 
o cantinho da beleza, corte de cabelo, 
 Sorvete, churros, açaí e algodão doce.
 Tinha muita gente participando.
 A equipe levada pela U.M.N.T. - 
União Missionária Neo Testamentária ficou responsável  para fazer a evangelização, através das Cores da Salvação.
 Foram levadas 250 pulseiras com as Cores da Salvação. 
Cada pessoa que ouvia, recebia uma pulseira. 
 Foram também distribuídos livretos: Os amigos de Jesus (para crianças até 05 anos); Histórias de Deus (para crianças de 6 anos em diante) e o evangelho de Marcos. 
 Caso, uma criança ou adulto (porque eles também queriam ouvir) aceitassem a Cristo como Salvador era feita oração com ele(s).
 O Projeto Criança Feliz levou vários brinquedos
 para as crianças se divertirem. 
Realizou também partida de futebol.
 Vejam a felicidade dos irmãos 
que evangelizaram como também dos que recebiam as Boas Novas de Salvação.
"E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito:
 Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz;
 dos que trazem alegres novas de boas coisas." 
 Romanos 10 : 15

Agradecemos a Deus a oportunidade de anunciar a  Sua Palavra.
 Neste evento 250 pessoas foram alcançadas, em sua maioria, crianças,
 sendo que 18 receberam a Cristo como Senhor e Salvador.

"Quem ganha uma criança para Cristo, ganha uma vida inteira para servi-lo". Moody.

terça-feira, 8 de outubro de 2019

HOSPITAL MILITAR DE CAMPO GRANDE X U.M.N.T X APEC

A União Missionária Neo Testamentária juntamente com as Igrejas Neotestamentárias da Vila Planalto e Vila Kellen, e a APEC, participou de uma atividade especial neste dia 6 de outubro no Hospital Militar de Campo Grande,MS para as crianças e seus pais. 
Foi o 3º Encontro de Crianças da família HMILCG. 
O objetivo desse evento foi o fortalecimento do vínculo familiar. As atividades foram todas voltadas para esse fim. 
O Tema foi:
 "Criança obediente é criança protegida".  
 
Sargento Maria Solange (Sol) idealizadora e promotora do evento no hospital militar, 
Rosangela Lins Almeida, missionária da UMNT, professora  e voluntária da APEC/MS, 
e o Presidente da UMNT, missionário Isaias da Silva Almeida. Uma parceria abençoada!




Grupo de adolescente  e jovens apresentando
 cânticos e mensagem bíblicas.
Através da história do dentinho, é enfatizada a
  a necessidade da higiene bucal para as crianças e é feita uma relação com a vida espiritual da criança e a necessidade que ela tem receber ao Senhor Jesus Cristo como seu Senhor e Seu Salvador para ficar limpa do pecado.

Serginho, aluno da APEC, representando o Sr. Dentinho,   e o Dente de Leite era o Bruno Paravá da Igreja Neo Testamentária da Vila Planalto em Campo Grande,MS



As crianças amam a pintura facial
Alguns jovens ensinaram, com  ajuda dos pais, as crianças a colocar a carinha no Livro Sem Palavras . Momento em que foi falado mais uma vez o plano de salvação através das cores.
 Dessa oficina cinco crianças manifestaram o desejo de receber a Cristo e foram encaminhadas para o aconselhamento. 
  A oficina de peteca foi realizada com material reciclável (revistas e jornais usados). Foi uma descoberta para as crianças. Muitas não conheciam esse brinquedo.
 Oportunizou que os pais e familiares presentes ensinassem como brincar e mais importante: brincassem com as crianças.
A oficina de salada de frutas ficou sob a responsabilidade 
das nutricionistas do Hospital Militar.
A oficina de balões ficou a cargo dos jovens e adolescentes, 
com o apoio do Sargento Barbosa.

A oficina de orientação foi comandada pelo Tenente Benites. 
É um esporte comum no meio militar no qual é dada uma carta (ou mapa) para os participantes descobrirem onde estão as peças. Foram colocados 11 pontos. 
Pais, avós, tios participaram junto com as crianças. 

 Alcançamos 57 crianças. 
5 fizeram decisão e receberam 
o aconselhamento .

AGRADECIMENTO

A DEUS, pela oportunidade, pelo bom tempo e pelo privilégio de cumprir o IDE.
AO HOSPITAL MILITAR,  por nos ceder o espaço e  pela acolhida.
A Sargento Maria Solange pelo convite.
A APEC  pela metodologia eficiente do plano de Salvação.
A ABO, Associação Brasileira de Odontologia, pelos kits de escovação.
A UMNT, União Missionária Neotestamentária e igrejas 
Neotestamentárias que apoiaram o evento.
Ao grupo de  jovens e adolescentes Neotestamentários.  
Aos alunos do CPMC  (Capacitação  de Professores para o Ministério com Crianças)
e ex alunos do TIMI (Treinamento Informal para o Ministério Infantil) da APEC
 que participaram do evento.

O NOSSO MUITO OBRIGADO.

"Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor."  I Coríntios 15 : 58

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Puerto Iguazú e as crianças

Dia 24/08 as 13:00 horas foi feito em Puerto Iguazú – Argentina, uma atividade com as crianças, para comemorar o dia delas que foi 18/08. 
Tivemos jogos, pula-pula, pintura para os pequenos e a exposição da palavra. 
Aproveitamos o momento e distribuímos folhetos aos pais presentes que eram muitos.



 Compareceram em torno de 80 crianças.


 Tivemos a colaboração de alguns irmãos de Paraguay, Guarupá e Posadas.
Esse evento nos fortalece e nos dá ânimo para seguir trabalhando.

Javier e Maeli

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Testemunho do irmão Manoel Francisco Paulo

Testemunho do irmão Manoel Francisco Paulo feito em uma fita k-7, alguns anos antes da sua morte, a pedido do irmão Arízio de Almeida Branco, que hoje congrega na Igreja de Sorriso-MT.

.... O irmão Manoel Francisco Paulo chegou em Mato grosso em 1946, na cidade de Campo Grande (hoje MS) vindo do estado da Bahia sua terra natal. Ele foi trabalhar no garimpo, na comunidade Fala Verdade, distante de Campo Grande 40 Km.



“Ao chegar na comunidade, vi que ali tinha um grupo de crentes da igreja Presbiteriana. Eles sempre me convidaram para os cultos, mas eu sempre recusava, pois tinha medo dos crentes, tinha más informações dos crentes, por isso não ia. Porém, por insistência deles, eu decidi ir na reunião deles. Chegando lá, começaram os trabalhos lendo Mateus 10: 25 – 30. Quando chegou no versículo 28, eu pude ver que eu tinha que ir a Cristo, tinha que aceitar como meu Senhor. Ao findar o culto, fizeram o apelo. Mas, eu não quis aceitar Jesus como Salvador; parece que alguma coisa me impediu de fazer minha decisão. Então, eu saí do local. Eles me deram o livro do evangelho de Mateus que me acompanhou por muito tempo.
Quando eu saí da comunidade Fala a Verdade, vim para Cuiabá, gastando 15 dias de viagem. Não tinha estrada naquele tempo e a condução era difícil, até que chegamos em Cuiabá. Como não tinha profissão não restou outra coisa a fazer a não ser o garimpo. Fui para um lugar de garimpo chamado Alto Paraguai, conhecido como Gatinho. Trabalhei ali alguns meses, mas não fiz nada no garimpo, as coisas não davam certo para mim. Então eu fui para o seringal. Me falaram que no seringal se podia fazer dinheiro; tirando borracha teria algum resultado. Eu fui pensando que isso era verdade. Chegando lá pude ver que não era para mim a tal da seringa. Voltei novamente para Cuiabá. Chegando em Cuiabá encontrei, na minha pensão, um senhor que morava em Rondonópolis, ele chamava Antônio Borba, era um fazendeiro. Ele estava procurando alguém que entendesse de garimpo para levar para sua fazenda para descobrir um garimpo lá, pois achava que dava garimpo na sua fazenda. Fui com ele para São Lourenço de Fátima num lugar por nome Trivial, e ali fiquei alguns tempos, alguns meses ali. Pude ver que ali não era lugar para garimpo, mas, mesmo assim, ainda peguei alguns “chibiuzinhos” (diamantes pequeninhos) de pouco valor.


Depois disso fui para Rondonópolis, isso já em 1948, onde havia uma grande influência de gente chegando de fora para a lavoura. Descobri, ali em Rondonópolis, um grupo de crentes da igreja Neotestamentária. Fui e me encostei onde eles estavam reunidos. Eu encostei ao lado da porta. Não quis entrar e não quis que ninguém me visse ali. Quando estava terminando a reunião eu fui embora. Depois de 8 dias voltei novamente. Já me deu vontade de entrar. Entrei e me mandaram sentar; me receberam bem. Eu sentei e fui assistir a reunião, quando o pregador começou a ler a mensagem, foi a mesmo trecho (texto) que eu escutei em Campo Grande, em Mateus, mas ele começou no versículo 28 a 30, e fez a explicação, eu pude ver mais ainda que eu precisava aceitar a Jesus Cristo como o meu Salvador. Eu era um que andava cansado sem saber para onde ir quando findasse minha vida aqui nesse mundo. Terminando a mensagem fizeram o apelo e eu fiz a minha decisão ao lado de Cristo, aceitei a Jesus Cristo como meu Senhor e Salvador. Graças a Deus o Senhor falou comigo outra vez da Sua palavra. E ali, naquela reunião, reuniam apenas 4 famílias onde uma era do senhor José Batista com suas filhas, o qual mais tarde passou a ser meu sogro. Terminou eu namorando a moça mais bonita que tinha na região: Maria das Dores, com quem me casei e me dei muito bem, graças a Deus. Foi uma benção de Deus para mim! Continuei com eles, assistindo os trabalhos.
Em 1949 com um ano que eu tinha aceitado Cristo como meu Salvador, fui batizado.
Em 1950, eu me casei e continuei sempre nos trabalhos com eles.



Nesse tempo, o missionário John (Joao) Daniel Rees, que foi que abriu o trabalho em Rondonópolis, morava em Poxoréo. Quando eu chequei em Rondonópolis, pela primeira vez, ele estava em Poxoréo e depois passou a morar em Rondonópolis. Ele saía sempre fazendo visitas e pregando o Evangelho. Eu fui o seu companheiro de viagem por algum tempo. Andei com ele nos sítios, fazendas e em outros lugares. Depois ele passou a morar em Campo Grande.
Eu fiquei em Rondonópolis com os irmãos em pequeno grupo de crentes. O “povo” pegava sempre no meu pé para eu tomar parte nos trabalhos. Eu, muito acanhado, sem experiência, não queria participar dos trabalhos; até que eu pude ver a necessidade de trabalhar porque eu precisava crescer no conhecimento da Palavra de Deus, e também ganhar experiência do trabalho.
Comecei fazendo visitas nas casas, nas casas dos irmãos depois comecei a sair fora da cidade, andando de bicicleta até 40 km.
Depois passei a andar de ônibus em até certos pontos e indo mais longe um pouco só que não tinha resultado, parece que meu trabalho estava sendo em vão, não havia conversão. Havia algumas pessoas que mostravam interesse, mas não decidiam, e não dava prazer no trabalho que estava fazendo.
 Em 1965 eu resolvi mudar de Rondonópolis para um lugar que não tivesse ainda o Evangelho. Eu queria começar num lugar que não tivesse o Evangelho.  Naquele tempo eu recebia estatística das igrejas evangélicas em todo o Brasil. Naquele livro de estatísticas das igrejas evangélicas do Brasil, olhando os Estados pude ver que o Amazonas era o lugar mais necessitado do Evangelho. Então, pensei em ir ao Amazonas. Falei com a minha esposa. Combinei com ela para nós vendermos a nossa chacrinha. A única coisa que nós tínhamos era essa Chácara. Ficava ali onde hoje é a casa da Matilde e do Altivo. Naquela Chácara foi que  eu criei a minha família: plantando horta e minha esposa vendendo o produto dela, na rua, com meu filho Moisés. Falei com ela para nós vendermos a Chácara para ter dinheiro para chegar em Amazonas. Combinamos vender. Coloquei a Chácara a disposição para venda. Mas, ninguém interessou em comprar a Chácara. Todo mundo vendia propriedades, vendiam casas, vendiam chácaras, vendiam lotes e faziam negócio que precisavam. Porém, eu não achava negócio.
 Passado algum tempo eu descobri, desconfiei que Deus não queria que eu vendesse aquela Chácara. Então falei para minha esposa: “Sabe, parece que não é a vontade de Deus para nós vendermos essa Chácara, vamos esperar por aqui”; e não pensei mais em vender aquela Chácara. Mudei de pensamento, mudei de ideia e fiquei trabalhando por ali mesmo.


Certo dia, chegou em casa uma irmã que havia convertido no começo do trabalho aqui em Rondonópolis. Era a Lola. Ela era uma senhora, professora. Depois que saiu do nosso meio, ela frequentou a Igreja Batista. Mas, ela não deu certo com os Batistas. Ela havia se mudado para um lugar chamado Areia, onde lecionava. O Areia ficava adiante do Vale Rico.
 Ela me disse:
“Irmão, você não gostaria de ir lá no Areia pregar o Evangelho? Tem muitas famílias lá. Tem muita gente e não tem quem pregue o Evangelho naquele lugar. Você não gostaria de ir lá?”. Então falei:
 “Irmã, é um lugar assim que estou procurando. Estou procurando um lugar que precisa de alguém para pregar o Evangelho”.
Ela respondeu:
“Lá tem esse lugar que você está procurando”.
Combinei com ela para ir lá.
Eu disse:
 “Olha, daqui a 15 dias, de hoje a 15 dias, se Deus quiser, estarei lá na sua casa. Você faz os convites as pessoas para o culto a noite que eu estarei na sua casa de hoje a 15 dias”.
Ficamos certos e ela foi embora. Ao completarem os 15 dias, no sábado, tomei um ônibus em Rondonópolis e fui ao Vale Rico. No Vale Rico deixei o ônibus e segui a pé até a casa dela, pois ela havia me dado o endereço da sua casa. Chegando lá na casa dela já mais ou menos às 16 horas, ela havia convidado algumas pessoas para assistir a reunião a noite. Tivemos um culto e ajuntou muita gente, eram umas 20 a 25 pessoas. Fizemos o culto e dois filhos dela fizeram sua decisão, porém, não permaneceram, não seguiram o caminho do Senhor. Entretanto, eu fiquei sempre indo no Areia. Combinei com o povo e levava a Palavra do Senhor.
Acontece que ali, no Areia, com a continuação do tempo, houve bastante conversão. Pudemos ver muitas pessoas que converteram ali e depois mudaram dali. Alguns foram para Cuiabá, outros foram para Rondônia, outros foram para Nova Olímpia e outros foram para Poxoréo. Eu segui visitando os irmãos para onde eles tinham mudado. Continuei fazendo visitas a eles.



O trabalho de Cuiabá, a igreja Neotestamentária de Cuiabá, começou na casa do irmão Antônio Júlio Pinto, que hoje é Presbítero da igreja de Cuiabá. Neste tempo o pai dele era vivo, o finado irmão José Bonifácio, e morava naquele mesmo lugar onde mora até hoje o Pr. Antônio Júlio Pinto.
O trabalho de Nova Olímpia começou na casa do nosso irmão Augusto Ricardo de Oliveira. Começaram no Sítio. Naquele tempo, lá no Sítio, estava ele e seus irmãos Eurípedes e Gustavo. O trabalho começou lá neste sítio. Depois eles mudaram para Nova Olímpia, para a cidade. Lá começaram o trabalho e está lá até hoje.
O trabalho da igreja de Rondônia começou na casa do irmão Pedro Vicente conhecido por Pedroca, esse infelizmente desviou dos caminhos do Senhor.
A igreja de Poxoréo começou na casa do irmão Erasmo Mendes. O irmão Erasmo não veio do Areia. Ele veio da Barão Maia, que fica distante do Vale Rico ao menos 10 a 12 km. Lá eu pude ver que também tinha muita gente. O fazendeiro chamava Barão Maia. Tinha muitas famílias que trabalhavam naquela fazenda. Trabalhavam formando pastos. Lá também converteu muita gente. O irmão Erasmo e a irmã Maria Resplandes converteram ali. Na noite que eles converteram, não sei se converteram, mas 10 pessoas fizeram decisão, entre eles o irmão Erasmo e a irmã Maria. Desses 10 - só eles permaneceram, graças a Deus, e deram bom testemunho da Palavra de Deus.
 Então eu pude ver o motivo pelo qual o Senhor não queria que eu vendesse a minha Chácara e fosse para o Amazonas. Era porque Ele tinha trabalho para eu fazer no Areia, e também na Barão Maia. Com o tempo vamos descobrindo muitas coisas que, no momento que acontece, nós não entendemos. Tanta vontade que eu tinha de ir ao Amazonas pregar o evangelho lá! Mas, o Senhor não quis que eu fosse para lá. Certamente o meu lugar era em Rondonópolis, porque tinha que ir ao Vale Rico levar a Palavra para estes irmãos que aceitaram o evangelho e a graça de Deus, e que até hoje estão firmes.
Assim, irmãos, que nós podemos ter muitas experiências e descobrir também que para trabalhar na obra do Senhor são necessárias três coisas principais:
a)   Fé; b) Fidelidade e c) Coragem.
Se não tiver essas três coisas dificilmente pode dar certo no trabalho.
As primeiras viagens que eu fiz, sempre fazia por conta própria. Eu trabalhava na hortaliça e quando tinha dinheiro suficiente para pagar a passagem de ida e de volta eu ia fazia a viagem. Ia ao Vale Rico e de lá deixava o ônibus que ia para Guiratinga e ia a pé para o Areia. Era assim também nos outros dias que ia a Barão Maia. Chegava no mesmo lugar onde parava o ônibus; eu parava ali e seguia para o Barão Maia, e o ônibus logo seguia para Guiratinga. Onde o ônibus parava era um ponto de lanche e o ônibus parava ali. Os passageiros iam fazer lanche, compravam refrigerantes, outros compravam leite, café, e etc... e eu muitas vezes ficava com vontade de tomar um copo de leite e não podia porque se eu comprasse não teria dinheiro para voltar para casa, então ficava com vontade.  Seguia “pro” Areia ou Barão Maia, com vontade de alguma coisa, mas não podia comprar.
Certa vez aconteceu que chegando no meio da estrada indo para o Barão Maia, ao meio dia, senti necessidade de comer alguma coisa. Estava com fome. Mas, comer o que? Então chequei numa lavoura de arroz. Vi, no meio da lavoura uns pés de milho perto da cerca com uma espiga muito bonita e estava madura. Cheguei na beira da cerca, chamei alguém, mas ninguém atendeu. Então eu me dirigi a este pé de milho e colhi a espiga que ele tinha. Tirei a casca (palha), dei graças a Deus e comi aquela espiga de milho crua do jeito que estava. Que comida deliciosa! fiquei saciado e continuei minha viagem.
 Cheguei na casa do irmão Erasmo às 16 horas mais ou menos. Fiquei três dias na casa dele. Fazia culto na sua própria casa e também fazia visitas e pregava a palavra de Deus aos vizinhos. Ali houve algumas conversões também.
Continuei o trabalho na Barão Maia, indo nas fazendas e outros lugares mais distante, ainda na mesma fazenda, e assim pudemos pregar o evangelho naquela região.
Falando ainda de experiência: um dia fiz uma viagem para Rondônia. Meu dinheiro estava pouco, porém, eu fui assim mesmo. Dizem que a gente tem que viver pela fé, não é mesmo? Fui para Rondônia. Quando foi para eu voltar de Rondônia, a passagem já tinha subido e meu dinheiro não dava para comprar a passagem de Rondônia para Rondonópolis. Mas, tinha um irmão, de outra congregação, que morava em Rondonópolis, e que passou a morar em Rondônia, em Ouro Preto. Aliás, ele não morava em Ouro Preto, ele morava em Ji Paraná, e pedia sempre que fosse a Rondônia para conhecer a casa dele. Nesse dia deu vontade de ir conhecer a casa dele. Como ele pedia que eu fosse e eu tinha o endereço também, fui a casa dele. Faltavam ainda três horas para o ônibus sair da cidade para Cuiabá. Cheguei na casa do irmão às 13h30min horas. A família dele não estava em casa. Estavam no sítio; mas, ele mesmo fez almoço para nós. Almoçamos e ele disse: “Encoste e se deite aí um pouco nessa cama, descanse um pouco”. Eu me deitei, porém não dormi. Ficamos conversando. Depois ele se levantou, entrou no quarto e disse: “Irmão, aqui tenho um cofrinho. Neste pequeno cofre eu ponho as ofertas do Senhor e o dízimo. De mês em mês eu levo a igreja e dou para o trabalho do Senhor. O senhor está trabalhando e eu vou dar aqui uns quebrados, uns trocos para o senhor comprar um refrigerante na estrada”. Aí ele me deu uma nota que justamente era o dinheiro que precisava para chegar em Rondonópolis. Eu tinha pensado em comprar a passagem até Cuiabá, em Cuiabá tomar dinheiro emprestado dos irmãos e acabar de chegar em Rondonópolis, mas não precisou porque aquele irmão me deu o dinheiro que eu precisava. Interessante pensar uma coisa, aquele irmão não sabia da minha necessidade. Quem falou para ele? Certamente o Senhor falou para ele, e ele atendeu a voz do Senhor, e supriu aquilo que eu precisava. Interessante também pensar que aquele irmão não era da igreja Neotestamentária era de outra congregação. Por isso irmãos, não devemos fazer distinção de igrejas, uma vez que é igreja evangélica, prega a salvação em Cristo Jesus, é nosso irmão. O Apóstolo Paulo diz: “Todos vos sois um em Cristo Jesus”. Essa foi uma experiência que eu tive e graças a Deus nunca me faltou nada no trabalho do Senhor. O Senhor de uma forma ou de outra supriu as minhas necessidades.


Outra experiência que eu tive foi um pouco desagradável. Mas, a Bíblia diz que em tudo devemos dar graças. Embora não saibamos o porquê acontece alguma coisa, a Bíblia diz que “Em tudo dai graças”. Nós devemos receber tudo, segundo a vontade de Deus.
Entre Rondonópolis e Cuiabá há um lugar chamado Brilhante, fica adiante de Jaciara uns 15 km. Ali moravam algumas famílias crentes, da igreja Presbiteriana. Era um bocado de goianos que morava naquela fazenda, Fazenda Brilhante. Eles eram crentes. Tinham congregação lá onde eles congregavam. Tinham o trabalho deles. Naquela fazenda tinha também chegado, de fora, algumas famílias, mas era um povo moreno. Acontece que estes irmãos Presbiterianos parecem que eram racistas. Não sei por que eles não ligavam para estas famílias que tinha lá. Não convidavam para assistir os trabalhos e nem tão pouco pregavam o evangelho para eles. Nesse tempo, tinha um irmão nosso que passou a morar lá no Brilhante. Os goianos queriam assistir o trabalho, mas ficavam acanhados porque ninguém os convidava. Então, esse irmão disse: “Olha em Rondonópolis tem um irmão, se vocês convidarem, ele vai vir aqui.  É o irmão Manoel Paulo”. Eles vieram em casa, contaram a história deles para mim e me convidaram para ir lá na Fazenda Brilhante, onde eles estavam moravam para pregar o Evangelho para eles. Eram mais ou menos seis a sete famílias. Eu fui um pouco acanhado porque ali estava a igreja Presbiteriana. Ao chegar lá eu falei com eles, tinha uns irmãos que moravam lá. Fui fazer uma visita ao irmão que se chamava Nestor, o qual depois, morreu acidentado. Eles disseram para mim: “Tudo bem, é mais um irmão que pode nos ajudar aqui nos trabalhos. Seja bem-vindo”.  Então, eu fui à casa deste irmão que veio em Rondonópolis me convidar.


Começamos um trabalho na casa dele, e eu sempre voltava lá em Brilhante. Tomava o ônibus em Rondonópolis, passava Jaciara, adiante de Jaciara uns 15 km, eu descia do ônibus e entrava do lado esquerdo, acho que uns dois km e pouco e chegava na fazenda. Ali doze pessoas se converteram; oito pessoas chegaram a ser batizadas. Eles foram batizados pelo missionário Carlos Ek.... Charles Harrys? Seria esse? Eles o chamavam de Sr. Carlos. Carlos Harrys. Ele era esposo da missionaria Margery. Esse tempo ele estava aqui em Rondonópolis. Eu o convidei para fazer visitas aos irmãos lá e fazer o batizado deles, porque naquele tempo eu não era Presbítero ainda. Ele batizou oito pessoas. Os outros não foram batizados porque ainda não estavam preparados. Passados uns tempos esses irmãos vieram morar em Jaciara. Chegando em Jaciara, o pessoal da cristã do Brasil “deu em cima deles” ensinando as suas doutrinas. Ensinando que tinham que saudar com ósculo santo, que tinham de orar só de joelho, que a mulher tinha que usar véu, e um bando de coisas. Eles implantaram a doutrina deles nesses irmãos que mudaram para Jaciara.



Um dia levei o missionário que mudou para Campo Grande, John (João) Daniel Rees, para visitar os irmãos em Jaciara. Chegando lá eu notei um clima diferente. Não deram atenção para nós, muita pouca atenção deram. Aproximando-se já das 18 horas falamos em fazer convites para o culto a noite e eles ficaram por ali, com pouca vontade, um clima muito triste, muito difícil, desagradável. Procurei o irmão Nozinho, que era como se chamava o dono dessa casa onde nós chegamos. Perguntei: “Irmão Nozinho, o que acontece com os irmãos? Estou notando uma diferença entre vocês. Aí ele foi franco em dizer: “irmão Manoel Paulo nós agradecemos muito você ter ido no Brilhante, pregou o evangelho pra nós e aceitamos Cristo como nosso Salvador. Mas, uma coisa o irmão não fez”. E eu disse: “O que foi que eu não fiz, e precisava fazer e não fiz?”. Ele disse: “Foi nos ensinar o que nos ensina as Escrituras. O irmão não ensinou que tinha que saudar com ósculo santo, não ensinou que tinha de orar de joelho, não ensinou que as mulheres tinham que usar o véu, e os da Cristã do Brasil vieram aqui e ensinaram essas coisas para nós. Estamos seguindo tudo como ensina a Bíblia”. O missionário John (João) Daniel Rees conversou um pouco com eles, ensinou um pouco da Bíblia a respeito destas coisas, e por fim ele disse o seguinte: “Se vocês escolheram estar com o povo da Cristã do Brasil tudo bem, vocês  tem a vontade livre”. Aí deu apoio para eles, e ficou por isso mesmo. Desta maneira que ali nós perdemos 12 irmãos que deveriam estar na luta conosco. Devíamos ter um trabalho em Jaciara, mas, infelizmente houve essa tragédia, uma experiência muito desagradável, mas está incluída nas experiências.

As experiências que eu tive com os irmãos da igreja Cristã do Brasil, sempre foram desagradáveis, sempre perseguiram o meu trabalho. Muitas vezes tivemos contendas. Muitas vezes ficamos horas estudando a Palavra e discutimos. Não se pode discutir a palavra de Deus é uma coisa que é errada, mas isso chegou a acontecer. Por fim, eles levaram estes 12 irmãos. O mais triste é que esses irmãos que eles levaram não permaneceram com eles e nem voltaram para nós. Foram 12 irmãos que foram para o mundo. Não permaneceram no evangelho. Até hoje, quando vou a Nova Olímpia, às vezes, eu vejo ali uma senhorita, uma mulher que hoje é uma mulher da vida e que foi uma das que eles levaram consigo. Ela não firmou na igreja. Foi para mundo. Uma experiência muito triste.


Sempre quando nós pregávamos o evangelho em um lugar, em uma casa, eles propositalmente iam lá desfazer o que nós procurávamos deixar com os irmãos. Sempre procuravam contradizer as palavras de Deus, pregando suas doutrinas erradas.
 Assim, irmãos, que há muitas experiências gostosas que causam alegria, mas muitas outras que são tristonhas que causam tristeza, que causam até lágrimas. Mas, é como diz a Palavra de Deus, um versículo que gostaria de deixar com os irmãos que se acha em Salmos126:6.... apesar de passar por lutas e dificuldades, mas também hoje me alegro de ver alguns molhos, de ver alguns irmãos que aceitaram a palavra de Deus e estão firmes no Senhor, anunciando a Palavra de Deus para as pessoas que ainda não aceitaram Cristo como Senhor e Salvador. Que o Senhor possa conservar esses irmãos fielmente na Sua obra fazendo a Vontade de Deus, e guiando as pessoas no Caminho da Salvação.
Com 71 anos é isso que tenho a dizer na experiência que tive no trabalho do Evangelho.
Que Deus nos abençoe.

 

Ivon Pereira da Silva e sua amada esposa
Joneide Montezuma
Presbítero da Igreja do Bosque da Saúde
 e da Igreja Jardim Vila Rica
Várzea Grande - MT