sexta-feira, 16 de maio de 2008

UM "CAUSO" INTERESSANTE

Neste encontro de Lideranças em Campo Grande, pude, dentre várias situações agradáveis com os amados irmãos, registrar em minha câmera, a história que há anos ouvi de meu esposo, quando pela primeira vez, esteve em Rondonópolis para o Encontro de Cooperadores, há alguns anos atrás; ele voltou feliz por conhecer alguns irmãos do “norte”, e do carinho e acolhida que recebeu da parte destes. Uma história, particularmente, chamou-me atenção, e gostaria de relatá-la brevemente aqui: trata-se de um “causo”, que de fato aconteceu. O “contador do causo” é o irmão Sebastião dos Santos, um dos Presbíteros de Rondonópolis, amável e sorridente nordestino de uma das regiões mais encantadoras de nosso Brasil. Com uma “fala” peculiar, a gente não sabe se o irmão está de fato chorando, ou empenhado em colocar toda carga emotiva no assunto em questão. Seu timbre de voz é realmente único, que nos chama a atenção, desenvolvendo em nós um desejo irresistível de ouvi-lo contar qualquer coisa. Bem, passemos à história, como o irmão disse, acredita que a história de fato aconteceu, pois a fonte da mesma era um “sincero cristão”, baiano, amigo seu.
Querido irmão Sebastião, peço-lhe permissão para “florear” sua história, sem omitir as informações que me passou.
“Há muitos anos, havia um sujeito que era “um cabra muito bravo”, lá do Nordeste. Não sei se esse sujeito foi do bando de Lampião, ou se chegou a ser seu contemporâneo, ou nenhum dos dois, apenas a minha fantasia que está extrapolando tudo isso. A verdade, é que o sujeito era bravo mesmo. E, com um “adjetivo”: ODIAVA CRENTES. Tão determinado a acabar com essa “raça intransigente”, que resolveu ir ao culto de domingo, determinado, ao seu final, acabar com a vida do pastor.
Como todo bom pistoleiro, chegou cedo na igreja local, a fim de “se ambientar” no reduto da vítima, com o cuidado de se manter bem longe das vistas dos congregados que vinham chegando, embalados na conversa, sentando no último banco, bem no cantinho próximo à parede. Ajeita o chapéu, e entreolha pela aba. As pessoas passam e estranham alguém com chapéu dentro da igreja. Alguns cumprimentam, mas o sujeito só acena com a cabeça. Começa o culto. O pastor dá as “Boas Vindas” aos visitantes e irmãos. Hinos de louvores são entoados. Até que começa o hino: “Manso e suave está Jesus chamando...” (em nosso hinário cantamos “Terno e suave está Cristo chamando...); o sujeito se remexe no banco. Olha para os lados. Ninguém está olhando para ele, estão todos cantando. “Como sabem o meu nome? Quem contou a eles?” – eram perguntas que estavam ziguezagueando em sua mente, deixando-o aturdido! Ao cantarem “Manso e Suave está Jesus chamando”, ele ouvia “Amansa, José Alves, Jesus está chamando”! Ele se contorce a cada estrofe cantada. Começa a pregação do pastor: uma linda mensagem evangelística que fala do amor incondicional de Deus pelo pecador. O texto poderia ser do ladrão malfeitor, crucificado ao lado do Senhor (quem sabe?). Durante a preleção, enfatiza a obra redentora de Cristo na cruz, e da necessidade de arrependimento, e confessar a Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor, para que Deus apague de Sua misericordiosa memória, todos os pecados da pessoa. Ao final da mensagem, ao fazer o apelo, dentre algumas pessoas surge um homem à frente, chorando, com o chapéu retorcido nas mãos: era o tal pistoleiro. Ao se aproximar do pastor, ele o abraçou. Confessou diante de todos para quê veio ao culto, e rendeu graças a Deus por resgatá-lo de uma vida de pecado. A Igreja toda se alegra com os novos irmãos e entoam louvores de adoração ao Deus Vivo e Verdadeiro!

4 comentários:

Prof. Izaias Resplandes disse...

Irmão Júlio, de Porto aAlegre? O que achou desse valentão aí do causo do irmão Sebastião?

Prof. Izaias Resplandes disse...

Jesus amansa até os mais bravos jagunços do Nordeste, do Centro Oeste e do Sul também. Éramos todos filhos da ira, bravos, valentões. Hoje somos cordeiros no aprisco do Senhor "terno, manso e suave". Louvado seja o Senhor Jesus.
Muito interessante a história, irmã Gláucia. É edificante. E perfeitamente aceitável, pelo que nós sabemos a respeito do poder transformador de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que Ele possa abençoar a irmã e a família. Abraços fraternais para todos.

Isa2 disse...

Este artigo será publicado no O Noticiário Evangélico nº 2, 2008. para que aqueles que não têm acesso a internet possam conhecer o "CAUSO" contado pelo irmão Sebastião e escrito por Glaúcia Torrezan.

Cléber disse...

Hehe, gostei da história. Não duvido que seja fato.
A partir do dia 04/09/08 haverá um link no http://humornaigreja.net84.net/ apontando pra cá, se ninguém tiver nada contra, claro =).