segunda-feira, 18 de março de 2013

Resposta a Júlia



Eu e minha esposa Rosangela entramos na obra missionária no dia 1/06/1985, ou seja, já estamos no campo como missionários da UNIÃO MISSIONÁRIA NEO TESTAMENTÁRIA há 28 anos.
Na época que pedi entrada na Missão eu era Engenheiro Florestal na cidade de Cuiabá, capital do Mato Grosso. Congregava na Igreja do Bosque da Saúde e ajudava no trabalho de evangelização e ensino. Quando eu fazia viagens pelo interior do estado e mesmo fora dele, sozinho ou acompanhando algum missionário ou presbítero sentia muita necessidade de ajudar as igrejas. Certa vez, o Pr. Manoel Paulo nos contou de um irmão lá de Rondônia, que abria o local de reunião e ficava com a Bíblia na mão esperando alguém que pudesse ler para ele. Essa e outras experiências tocaram o meu coração. Senti necessidade de fazer algo, de colocar a minha vida à disposição do Senhor. Não conseguia mais ficar tranqüilo. A necessidade do campo evangelístico me incomodava. Minha esposa e eu tínhamos um curso de nível superior e um bom emprego, mas começamos a nos perguntar: "Será que a vida é só isso? Estudar, trabalhar para o nosso sustento e benefício, ganhar bem? Será que Deus não tem um outro propósito na nossa vida?" Foi dessa maneira que percebemos o chamado do Senhor para entrar no campo missionário. Conversei com alguns irmãos sobre esse propósito e eles me ajudaram e incentivaram. Dentre eles estava o Pr. Manoel Francisco Paulo que liderava a igreja de Rondonópolis. Ele me orientou muito no que relacionava a vida missionária. A igreja onde minha esposa e eu nos convertemos que é a igreja neotestamentária da Rua Frei Mariano em Corumbá, foi consultada sobre o nosso desejo. A liderança dela, na época, deu parecer favorável para que trabalhássemos como missionários. A igreja de Cuiabá, a qual freqüentava, também foi consultada sobre o nosso testemunho e também concordou que podíamos entrar no campo missionário. Quando aqueles que nos conheciam e conviviam conosco deram a sua aprovação ao nosso pedido de trabalhar como missionários, então tivemos certeza que esta era a vontade de Deus.
Quando entrei na missão surgiu uma igreja que iria ficar sem missionário. Falei com o a liderança da U.M.N.T. e eles nos permitiram ir trabalhar em Porto Alegre, RS. Ficamos ali sete anos e meio. Depois trabalhamos em Coxim, MT, por três anos e meio e finalmente viemos para Campo Grande – MS.
Hoje trabalho no escritório da U.M.N.T. Meu trabalho no escritório é cuidar da parte financeira, do Noticiário Evangélico e zelar pelo prédio da missão. Dou suporte às igrejas que necessitam ministrando estudos de edificação e doutrina. Como um dos membros do Conselho da U.M.N.T. tenho como função apoiar e dar suporte aos demais missionários, além de analisar os pedidos de entrada na Missão e outras questões referentes a Missão no Brasil e fora dele juntamente com os missionários José Maria Iturriaga, da Argentina e Eliezer Medina, do Paraguai.
Quando o Senhor nos chama para trabalhar como missionário, a mente fica sempre perguntando: "Quando você vai entrar na obra missionária?" Essa pergunta não nos abandona, está sempre voltando.
Caso, algum dia você sinta que deve trabalhar como professora na igreja ou ser uma missionária, procure seus pais ou os pastores da igreja converse com eles, peça oração e conselho. Você também pode nos escrever, vamos orar e ajudá-la no que for possível.
No amor de Cristo,
Isaias da Silva Almeida

Obs. Júlia tem 11 anos, freqüenta a 6ª série, é filha do Pr. Juscelino Alves de Jesus e Milca. Ela freqüenta a Igreja Evangélica Neotestamentária de Rondonópolis,MT

2 comentários:

Zigomar disse...

Que bom que dedicaram a vossa vida para o Obra do Senhor. Foi a decisão mais correta que fizeram!
Que Deus abençoe sempre o ministério de vocês!

Josiane disse...

Temos frutos deste trabalho missionário aqui em Parintins Amazonas. Graças a Deus por este Ministério! Que o Senhor os abençoe sempre com saúde e paz, para levar a Sua Palavra onde for preciso e ganhar muitas almas para Ele.