quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Minhas memórias de Paulo Campos

Novembro de 1982. Eis que chegam em Poxoréu uma comitiva de embaixadores neotestamentários para uma visita à Igreja de Poxoréu. Irmão Manoel Francisco Paulo (presbítero da Neo de Rondonópolis) e sua esposa Maria das Dores Paulo, Victor Paulo Campos e seu pai o Irmão Paulo Campos (de Corumbá, MS), Nanao Yamamoto e Julio Alt Viveiros (de Campo Grande, MS) e o Irmão Arcelino Paiva (Presbítero da Neotestamentária de Corumbá, MS). Eram sete companheiros. Para nós, de Poxoréu, foi como se tivesse vindo toda a Igreja Neotestamentária do mundo.

Leia mais em: Somatório de Idéias: Minhas memórias de Paulo Campos


2 comentários:

Zigomar disse...

Irmão Izaias, Como você me fez recordar agora aquele tempo, meu irmão! Foi no início de minha fé cristã! me recordo que nos reuníamos com o intuito de orar pelos irmãos, inclusive da Africa, e para aprendermos ao mesmo tempo, como falar com Deus! Éramos felizes e cantávamos com toda a força e realmente com alegria louvores ao Senhor nosso Deus! Me recordo dessa visita e, como você, fui participante daquela alegria e honra que os irmãos nos deram! Quando nós nos reportamos a esse tempo, vemos realmente que hoje, somos os responsáveis por também proporcionar momentos como aqueles com nossas visitas. O Irmão Paulo Campos tinha esse espírito alegre e contagiante que todos nós, como crentes, precisamos ter! Uma frase dele que não me sai da memória, que ouvi mais de uma vez em Campo Grande foi: "O crente não pode ter essa cara comprida, como cara de cavalo, o crente tem que ser alegre!" Eu sempre concordei com isso.

Zigomar.

Vandinha disse...

A alegria esta no coração de quem já conhece a Jesus, a verdadeira paz ............ Gosto desse corinho e procuro sempre cantá-lo com alegria aqui em casa nas reuniões. é verdade irmãos amados, que nos esforçemos a levar alegria e boas novas à todos que nos rodeiam.
Ele era sempre alegre!!