sábado, 6 de janeiro de 2018

O dia de descanso

O dia de descanso
Izaias Resplandes de Sousa
Todo aquele que trabalha necessita de um período de descanso. A legislação trabalhista brasileira estabelece regras para o descanso interjornada e o descanso intrajornada.
O intervalo intrajornada é destinado, principalmente, à alimentação do trabalhador. E hoje, ainda que atual legislação fala que esse intervalo poderá ser reduzido para até 30 minutos por Acordo ou Convenção Coletiva de Trabalho... Nas jornadas superiores a seis horas (que é a maior parte dos casos), a norma geral define a obrigatoriedade de um período mínimo de 1 hora pra o descanso intrajornada.
Já o intervalo interjornada é destinado, principalmente, ao repouso do trabalhador. E, na legislação brasileira, esse período é de no mínimo 11 horas.
O que se verifica é que a partir de quatro horas de trabalho, já se exige intervalos de descanso para que o trabalhador possa recuperar as suas energias, que vão de 15 minutos até 2 horas.
A Bíblia também trata desse assunto, destacando-se que o dia de descanso foi criado por Deus.
E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera. Gênesis 2:2,3.
No caso do descanso de Deus, não significa que Deus ficou cansado, porque Ele não é humano para que se canse. O que Deus faz é aplicar o princípio do exemplo. Quando você quer ensinar alguém a fazer alguma coisa, comece por fazer você mesmo. Mostre como se deve fazer. Seja um exemplo. Não em palavras, mas de fato.
Jesus disse aos seus discípulos em determinado momento: Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. João 13:15.
O apóstolo Paulo escreveu a respeito do exemplo, dizendo:
Sede meus imitadores, como também eu de Cristo. 1Coríntios 11:1.
Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam. Filipenses 3:17.
Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; Efésios 5:1.
Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores. 1 Coríntios 4:16.
É lamentável a distorção que muitos têm feito sobre os ensinamentos a respeito do dia do descanso. Ao longo da história judaica, esse dia foi chamado de sábado.
Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Êxodo 20:8.
Seis dias se trabalhará, porém o sétimo dia é o sábado do descanso, santo ao Senhor; qualquer que no dia do sábado fizer algum trabalho, certamente morrerá. Êxodo 31:15.
Seis dias o colhereis, mas o sétimo dia é o sábado; nele não haverá [a colheita do maná]. Êxodo 16:26.
Guardarão, pois, o sábado os filhos de Israel, celebrando-o nas suas gerações por aliança perpétua. Êxodo 31:16.
Mas o ensinamento de Deus sobre o dia de descanso era como que dirigido a “crianças”. O que se vê no Velho Testamento é um “fará isso” ou um “não fará isso”. A técnica utilizada é a do ensinamento para crianças, para pessoas que ainda não têm a maturidade para discernir entre o que é conveniente ou não.
Crianças não têm limites. É preciso que se estabeleçam os limites para elas. E não entendem direito o porquê das coisas. Por causa disso se usa muito o tom ameaçador do ordenamento. “Se você fizer isso, será castigado, morrerá ou coisa parecida”.
Também farás túnicas aos filhos de Arão, e far-lhes-ás cintos; também lhes farás tiaras, para glória e ornamento. Êxodo 28:40.
E porei separação entre o meu povo e o teu povo; amanhã se fará este sinal. Êxodo 8:23.
E farás um altar para queimar o incenso; de madeira de acácia o farás. Êxodo 30:1.
Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Êxodo 20:9.
Também farás túnica de linho fino; também farás uma mitra de linho fino; mas o cinto farás de obra de bordador. Êxodo 28:39.
Ou ainda, “se você não fizer isso será castigado, ou morrerá”. Esse é o tom das conversas, na maioria das vezes.
Não te farás deuses de fundição. Êxodo 34:17.
Não farás aliança alguma com eles, ou com os seus deuses. Êxodo 23:32.
Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Êxodo 20:4.
O segundo ponto de destaque na teoria do dia de descanso está relacionado com o trabalho... “Seis dias trabalharás”, em “seis dias farás toda a sua obra”. O dia de descanso é o sétimo dia de uma sucessão de seis dias trabalhados.
O sábado de descanso não é um dia exclusivo do calendário semanal. Não é propriamente o dia de sábado do calendário, ainda que possa ser. No caso do Brasil, por exemplo, a maioria das pessoas começa a trabalhar na segunda-feira e trabalha até sábado. Nesse caso, o dia de descanso seria o domingo, que sucede os seis dias trabalhados.
Em empresas onde se trabalha todos os dias, há empregados que folgam na segunda, outros na terça, na quarta... Ou seja, o que se preserva é o descanso após seis dias de atividades laborais.
O judaísmo fez a divinização do sábado. E muita gente, convenientemente, segue esse ensino ao pé da letra. Jesus fez questão de mostrar que o mais importante não era propriamente o sábado, mas o homem trabalhador cansado, que precisava de um dia para descansar.
 Disse Jesus aos seus discípulos: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado. Marcos 2:27.
É preciso ter compaixão daquele que sofre diante do labor. É preciso ter consideração com o trabalhador. O trabalho é digno, mas tem limites. Seja qual for a sua natureza.
Certa vez Jesus fez isso de forma literal. Chamou seus discípulos e disse-lhes: Vinde vós, aqui à parte, a um lugar deserto, e repousai um pouco. Porque havia muitos que iam e vinham, e não tinham tempo para comer. Marcos 6:31.
Essa é a essência do dia de descanso, seja sábado, domingo ou qualquer outro dia da semana. Devemos seguir a regra dos seis por um. Seis dias trabalhados por um de descanso.
O próprio Senhor Jesus trabalhou no sábado e deixou ensino sobre isso.
E aconteceu que, passando ele num sábado pelas searas, os seus discípulos, caminhando, começaram a colher espigas. Marcos 2:23.
E perguntou-lhes: É lícito no sábado fazer bem, ou fazer mal? Salvar a vida, ou matar? E eles calaram-se. Marcos 3:4.
E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que tendo uma ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não lançará mão dela, e a levantará? Mateus 12:11.
Há muita gente que defende o descanso especificamente no dia de sábado. Vamos respeitar o entendimento dessas pessoas, mas não é esse o fundamento que vemos nos ensinamentos sagrados. Há pessoas que não trabalharam nenhum dia e já estão querendo descansar.
O ócio não é o ensino bíblico. O trabalho, sim. E o descanso não foi criado para o preguiçoso, para o ocioso, mas para o trabalhador.
Um pouco a dormir, um pouco a cochilar; outro pouco deitado de mãos cruzadas, para dormir... Assim te sobrevirá a tua pobreza como um vagabundo, e a tua necessidade como um homem armado. Provérbios 24:33,34.
Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; olha para os seus caminhos, e sê sábio. Pois ela, não tendo chefe, nem guarda, nem dominador, prepara no verão o seu pão; na sega ajunta o seu mantimento. Ó preguiçoso, até quando ficarás deitado? Quando te levantarás do teu sono? Um pouco a dormir, um pouco a tosquenejar; um pouco a repousar de braços cruzados; assim sobrevirá a tua pobreza como o meliante, e a tua necessidade como um homem armado. Provérbios 6:6-11.

O apóstolo Paulo chega a dizer que o que não trabalha nem sequer deve comer, quanto mais descansar.
Porque, quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto, que, se alguém não quiser trabalhar, não coma também. 2 Tessalonicenses 3:10.
Quanto à quantidade de horas trabalhadas por dia, a Bíblia não é tão explícita quanto a isso, mas temos ensino que pode ser aplicado ao caso.
Pedro ensina: Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai ao rei. 1 Pedro 2:17.

Entendemos esse “honrai ao rei” como um dever de obedecer as suas normas, desde que não sejam contrárias aos ensinos da Palavra de Deus.
Admoesta-os a que se sujeitem aos principados e potestades, que lhes obedeçam, e estejam preparados para toda a boa obra; Tito 3:1.
Sujeitai-vos, pois, a toda a ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei, como superior; quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem. Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo bem, tapeis a boca à ignorância dos homens insensatos.1 Pedro 2:13-15.

Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à potestade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Romanos 13:1, 2.
O entendimento que temos é que nós, como cristãos, devemos sempre obedecer às leis do país, sempre que não forem contraditórias com os ensinamentos da Palavra de Deus. Nesse sentido, entendemos que, no caso brasileiro, a jornada de trabalho devida é a jornada legal.
A Constituição Federal estabelece que a jornada máxima é de oito horas diárias e quarenta e quatro semanais. O que passar disso é trabalho extraordinário e deve ser remunerado com acréscimo de no mínimo 50 por cento.

A jornada extraordinária pode exceder, atualmente, até quatro horas, levando a jornada diária para 12 horas. Trabalhando até esse limite, ainda sobrariam 12 horas para o descanso interjornada.
Ao concluir essa dissertação queremos dizer que se formos patrões, devemos ser justos com nossos empregados e obedecer as normas legais. E se formos empregados, devemos trabalhar com todo o nosso empenho, ganhando a confiança e o respeito de nossos patrões e com isso haveremos de ser abençoados por nosso Senhor.
Assim disse Jesus: Não resistais ao mau; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas. Mateus 5:39-41.

Que Deus nos abençoe!

Um comentário:

UMNT missão disse...

No Rio dos Crentes em Poxoréo é que não tem dia de descanso
Agora na Época de Acampamento de família temos um bom lugar não para descansar, mas compartilharmos da amizade e alegria com os irmãos.